CLIQUE AQUI para pedir seu livro GEOGLIFOS GAÚCHOS com frete grátis* pra todo o Brasil

CLIQUE AQUI para pedir seu livro GEOGLIFOS GAÚCHOS com frete grátis* pra todo o Brasil
R$ 29,90 cada -*Informe-se sobre as condições da promoção - www.facebook.com/geoglifosgauchos

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Carne de baleia no açougue

Foto antiga de caçadores de baleia (Fonte: gettyimages.)

Além das tradicionais carnes de ovelha, vaca, galinha e porco, há algumas décadas também era possível comprar carne de baleia nos açougues brasileiros. É o que conta Flávio Roberto Portella Farias, 65 anos, filho de Osvaldo Farias (1900-1972), antigo trabalhador das charqueadas e posteriormente dono de um destes estabelecimentos entre as décadas de 1920 e 1950, e que depois foi proprietário de açougues em Pelotas/RS entre as décadas de 1950 e 1970.

 Fotos dos açougues de Osvaldo posicionadas no mapa de Pelotas/RS (Acervo da família Farias)


De acordo com Flávio, a carne de baleia disponibilizada no açougue era importada, apesar dele não lembrar exatamente de qual país ela vinha. Ela era fornecida em blocos, que por sua vez eram cortados em postas e revendidos aos consumidores. Porém muita coisa mudou desde a adolescência de Flávio na década de 1960 pra cá, e hoje em dia é considerado uma verdadeira afronta aos direitos dos animais matar um desses animais para o consumo de sua carne e também de seu óleo. O combustível era usado para alimentar a iluminação pública em muitas cidades do país durante muitos anos antes do advento da energia elétrica.

Esquartejamento de um cachalote na antiga Fábrica da Baleia do Faial - Açores (Fonte: www.adiaspora.com)

A carne de baleia era muito vendida no Brasil na década de 1960, porém foi proibida posteriormente, e acabou parando de ser distribuída nos açougues deste país. Com o despertar da ecologia, nas décadas de 1970 e 1980 eram comuns as campanhas contra a caça às baleias, tendo sido tema inclusive de uma música do cantor Roberto Carlos. Porém em outras nações, o maior mamífero marinho do mundo continua sendo abatido em escala industrial até hoje, assim como os tubarões e tantas outras espécies da fauna dos nossos oceanos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário